Uma cidade é uma escolha - O cine Belas Artes está de volta

Por Afonso Lima 
(Historiador, mestre em filosofia pela PUCRS e escritor)
Fotos: Cesar Ogata/Secom/PMSP

Em 2011, o cinema Belas Artes, de quase setenta anos, fechou as portas por não poder pagar um aluguel de 120 mil reais por mês. Estava sem patrocinadores.

Foram três anos de audiências, coleta de assinaturas, manifestações (umas com cem, outras com cinco pessoas), procura de apoios políticos e, principalmente, incontáveis vezes levando informações que faltavam ao grande público, por exemplo: "como anda o caso?" O exemplo mais dramático, para mim, foi uma audiência na Assembleia Legislativa de São Paulo quando compareceram dois vereadores, um deputado, e apenas eu e mais quatro pessoas do movimento. Pois é, essa cidade, sem espaço público, desencontra.

Várias são as questões que surgiram. Em primeiro lugar, o espaço público, seu planejamento, sua qualidade. As forças conservadoras diziam que as coisas são assim, o mercado determina tudo; é a lógica do “deixa rolar”, uma questão “comercial”. Um secretário afirmou que “agora cinema é em shopping”. As pessoas, isoladas, dentro do apartamento, adoecem, as ruas ficam desertas e violentas.



Obviamente, a questão do patrimônio cultural é a primeira que nos vem à mente. Que valores, modos de vida, que história e identidade queremos preservar. Além disso, a questão de que temos algo que funciona bem, tem um impacto enorme na vida da população e educa/educou várias gerações, algo que sofre com efeitos da valorização do mercado, de modo que precisamos de um gestor público que saiba olhar o caso e pensá-lo. Esse gestor está ausente ou servindo a outros interesses. Com mil explicações, nada podia ser feito. Assustava-me a sensação dos paulistanos de que sempre perdiam.

Uma das coisas mais interessantes a ser analisada aqui é o papel da imprensa. Contamos com o apoio de valorosos jornalistas empenhados em avançar na discussão, mas é óbvio que muitas vezes o impacto de notícias como “tombamento não resolve” e “para reabrir o Belas Artes temos que aumentar o IPTU”, causavam muito mais a sensação de que nada pode ser feito porque nunca foi feito. Outras opções sumiam de vista.

A questão principal – a resolução desse problema como quer a população – pareceu muitas vezes soterrada por um fatalismo que simplificou as questões, causando desânimo e a sensação de que “não adianta mais”. Um exemplo disso é a opção do tombamento, que consta na Constituição como um dos meios de se preservar o patrimônio. A discussão sobre o tombamento é longa, exaustiva. Fomos falando com diversos especialistas e percebemos que não há consenso (tomba-se o prédio, não o uso; neste caso, um passo apenas). Mas existe pelo menos um debate (o DPH foi a favor do tombamento por motivos históricos). Esse debate foi encerrado cedo demais.



Outra coisa que me surpreendeu bastante foi a incapacidade de resolvermos problemas atuais, nossa tendência a nos afundarmos em discussões escolásticas. A impossibilidade de criarmos conceitos complexos para questões complexas. Cada especialista explicava por que não se poderia fazer nada, mas nunca como se poderia fazer algo. O conceito está correto em si, mas no contexto torna-se omissão.

Precisamos repensar urgentemente os conceitos sobre o patrimônio – tudo que o cine Belas Artes significa como memória e cultura viva não podia ser incluído no conceito de patrimônio imaterial para alguns, pois esse seria apenas práticas e não locais; os donos dos prédios tombados preferem deixar que apodreçam a terem que cuidar deles; desapropriação é um palavrão na democracia dos indivíduos solitários (o relatório final da CPI na Câmara foi a favor da desapropriação, a Câmara engavetou). O Conpresp, por exemplo, usou a desculpa de que o melhor seria desapropriar para evitar uma proteção ao imóvel, o que, na prática, acabaria levando ao uso por uma loja ou à demolição. Por outro lado, a Prefeitura dizia que cabia ao Conpresp tombar e, desse modo, também não fazia nada. O Condephaat tombou a fachada (o que evitou que uma loja surgisse ali) e queria destombar. Mudemos os conceitos se eles atrapalham a vida!

A questão mais séria diz respeito à representatividade da suposta democracia. Existem órgãos, representantes e leis, mas o cidadão comum está alienado do poder. Isso explica as manifestações de junho, entre outros fatores. Por sorte esse movimento de concentração tem brechas, políticos abertos, como estes que acabaram intermediando a questão.



Mas o que sentimos o tempo todo é que existem modos de atuar que pensam a cidade em nome dos grandes proprietários individuais - se o mercado imobiliário fala, em geral os políticos, por exemplo, os vereadores "patrocinados" por doações de campanha, abaixam a cabeça (enquanto se ouve que a gestão Kassab gastou 605 milhões em projetos e consultorias). Isso gera a sensação de estarmos perdidos em uma cidade governada por forças ocultas, de isolamento, e, claro, a sensação de que tudo é inútil, de que tanto faz votar ou não. Ou seja, mais abandono.

O Movimento pelo Cine Belas artes participou de reuniões com o secretário Juca Ferreira, que ouviu, dentre várias sugestões a de buscar patrocínio estatal; o cinema, após muita luta e percalços de todo tipo, vai ser reaberto com apoio da Caixa Econômica Federal. Agora, o que ficou provado é que uma boa ideia e paciência podem ter efeito. Cinco ou seis malucos persistentes, em sintonia com milhares, podem mudar paradigmas. É possível pensar junto, e foi uma bela trajetória: contamos com apoios de todas as ordens, políticos, promotores, acadêmicos, jornalistas, artistas, pessoas comuns que mandaram seus e-mails ao Conpresp e apoiaram no Facebook, atraindo olhares. Estamos em processo de construir uma democracia. Vamos fazer uma cidade boa para todos.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.