Exemplos de preservação dos cinemas de Rua pelo Brasil: Cineteatro São Luiz - Fortaleza/CE

Erguido no local onde funcionara o Cine Polytheama, o São Luiz teve suas obras iniciadas em 1938, quando da demolição do cinema anterior, conforme descreve no livro “A Tela Prateada”, o pesquisador e especialista na história do cinema no Ceará, Ary Bezerra Leite. A inauguração do São Luiz, porém, só seria realizada 20 anos depois, em 26/03/1958, graças aos efeitos da Segunda Guerra Mundial e, segundo o pesquisador, também a causas “nunca claramente explicadas”, em contraste com a intensa expectativa popular pelo novo cinema. O filme "Anastácia, a Princesa Esquecida", com Ingrid Bergman e Yul Brynner, inaugurou oficialmente o cine São Luiz.



Dois dias antes da inauguração oficial, o filme “Suplício de uma Saudade”, com Jennifer Jones e William Holden, foi exibido em uma sessão especial, para convidados e imprensa. Entre outros filmes da programação inaugural estavam “O Príncipe Encantado”, de Laurence Olivier; “Meus Dois Carinhos”, com Frank Sinatra, Rita Hayworth e Kim Novak; “Juventude Transviada”, com James Dean, e “Trapézio”, com Gina Lollobrigida e Burt Lancaster.

São Luiz já chamava atenção como um dos mais luxuosos cinemas do Brasil, com um hall de entrada em mármore, três lustres de cristal checos, escadarias, carpetes e pinturas imponentes. A decoração lateral do salão do cinema projetado pelo arquiteto cearense Humberto da Justa Menescal, com a participação de Humberto Monte, José Euclides Caracas e Oscar Dubeux Pinto, foi concebida por Osório Ferreira e Marcelino Guido Budini. A pintura ambiente ficou a cargo da empresa Shaffer e Harvath. A decoração parte de referências da art-déco, ressaltando formas geométricas e lineares, além de uma infinidade de cores e texturas, de encher os olhos.





“Entregando o São Luiz ao público cearense, sinto-me feliz de ter podido realizar uma aspiração que sempre tive de dotar Fortaleza com uma casa de espetáculos à altura do seu progresso e do seu povo”, destacou Luiz Severiano Ribeiro, no programa impresso distribuído ao público quando da inauguração do São Luiz, complementando: “O São Luiz está na vanguarda dos melhores cinemas e com as mais modernas instalações, som e ar-condicionado. Saudando o povo de minha terra, sentir-me-ei reconhecido se meus conterrâneos fizerem do São Luiz o seu cinema”.

Em 1995, o Cine São Luiz passou a sediar o Cine Ceará, principal festival de cinema do Estado e um dos mais longevos no calendário nacional de eventos do setor. Em outubro de 2007 foi arrendado à Federação do Comércio do Estado do Ceará, passando a funcionar como Cine São Luiz – Centro Cultural Sesc Luiz Severiano Ribeiro. Em outubro de 2011, o prédio do Cine São Luiz foi adquirido pelo Governo do Estado do Ceará. As obras de reforma e restauro garantiram que o equipamento cultural retornasse à cena, como cineteatro.



Restauração

Iniciadas em dezembro de 2013, as obras de restauração e recuperação do Cine São Luiz incluíram um pacote de melhorias nos sistemas de iluminação, acústica, climatização, piso e revestimento, além de novos assentos (também na tradicional cor vermelha) e equipamentos de projeção. O investimento possibilitou que o equipamento histórico-cultural fosse devolvido à sociedade como um dos mais modernos da atualidade.

Ao mesmo tempo, o Cine São Luiz teve preservada sua memória, pois as características arquitetônicas originais, em suas qualidades estéticas e históricas, foram mantidas. Com a adaptação do São Luiz à nova configuração de cineteatro e às normas técnicas e de acessibilidade, a capacidade foi reduzida de 1.500 para 1.070 lugares (destes, 300 ficam no piso superior).



Inaugurado em 1958 e fechado desde julho de 2010, o Cine São Luiz, tombado pelo Governo do Estado em 1991, em reconhecimento a seu valor como patrimônio histórico e arquitetônico, também recebeu novos equipamentos de projeção e de áudio, para se adequar à configuração de cineteatro. Além da abertura de um amplo palco, com capacidade para grandes espetáculos, também foram feitos reparos em outros espaços, como camarins, o fosso para receber músicos de orquestra.

A finalização da restauração do espaço foi um trabalho em conjunto realizado pela equipe de restauro, coordenada pelo restaurador José Luiz Motta, sob a supervisão de profissionais como o engenheiro Paulo Renato, da Secult (Secretaria da Cultura do Governo do Estado), o arquiteto Robledo Duarte, do Departamento de Arquitetura e Engenharia (DAE), do Governo do Estado, e o engenheiro José Cardoso, da Construtora Granito, responsável pela execução da obra.

Após a reinauguração do São Luiz, com sessões especiais do filme “Anastácia” (o mesmo de 1958) nos dias 22 e 23 de dezembro de 2014, foram necessários ajustes técnicos da estrutura e dos equipamentos relacionados à segurança, sinalização, logística e mobiliário. Esses trabalhos foram realizados nos primeiros meses de 2015 e contaram com a equipe da Construtora Granito e com a coordenação técnica de Paulo Mingoni. Durante esse período foi desenvolvido o conceito do novo São Luiz, por uma equipe que integrou profissionais da Secult e do Centro Dragão do Mar. Foi definido o modelo de gestão e firmadas as parcerias institucionais entre a Secult, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Fortaleza (CDL) e o Sindicato dos Comerciários de Fortaleza.



Objetivos

Em sintonia com as diretrizes da política cultural do Estado, o Cineteatro São Luiz tem como princípio ser um espaço de referência em difusão cultural e apreciação artística, oferecendo à população uma programação acessível e de qualidade, recontextualizando a história e dando atenção à produção contemporânea.

Entre os objetivos elencados pelo secretário Guilherme Sampaio está posicionar o São Luiz como equipamento de destaque no roteiro cultural do Centro de Fortaleza, promover e ampliar o contato do povo cearense com experiências artísticas e estéticas, contribuir para a formação de novos públicos para a cultura e para a democratização do acesso à produção cultural e artística cearense, bem como para a difusão permanente e a valorização dos trabalhos de nossos artistas, em variadas linguagens. Além de estimular os sentimentos de reconhecimento e pertença, de valorização da produção local pelo próprio público cearense e de maior exercício dos direitos à cidade e à cultura, inclusive com movimentação de público para além dos horários habituais do comércio.

Outras diretrizes são destacar a memória afetiva e simbólica do cineteatro e sua qualidade técnica como sala de cinema e casa de espetáculos de referência nacional, oferecer uma programação acessível, consistente e crescente para formar o hábito e o imaginário do espaço, relacionar-se com o entorno (artistas de rua, trabalhadores e frequentadores do Centro e dos bairros próximos) e estabelecer um elo entre gerações, como um espaço para todas as idades.

Cineteatro São Luiz Fortaleza
Rua Major FAcundo, 500 - Fortaleza/CE
Programação

Texto do site oficial da Secult.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.