Cine Belas Artes: uma introdução literária

Por Roseli Pedroso (Bibliotecária, escritora e blogueira)

Pensar numa São Paulo sem cinema é como pensar nela sem carros, buzinas, gastronomia, pessoas.

























A cidade cresceu ramificando seus tentáculos na arte e claro, o cinema não poderia ficar de fora uma vez que, considerado a sétima arte, tornou-se uma tradição no meio familiar. 

Quem não tem em suas memórias, tardes felizes na matinê, assistindo seu ídolo preferido?

















Quem não paquerou nas filas do cinema, iniciou um namoro através de uma ida ao cinema?

A maioria dos casais tem seu filme favorito por lembrar passagens do romance iniciado.




















Qual garota em sua adolescência não teve uma paixonite aguda por ídolos de Hollywood? James Dean, Cary Grant, Montgomery Cliff, Elvis Presley, e tantos outros que fizeram muitas perderem horas de sono, sonhando acordadas com eles.













E o que falar dos rapazes então? Infinitas e inesquecíveis musas surgiram nas telas desde o invento do cinema mudo.

Femmes fatales com seus olhares de derreter o maior dos icebergs e com suas bocas carmins delineadas para a atração fatal.

A partir dos anos 10, representado muito bem pela figura sensualíssima de Theda Bara, passando por Clara Bow, Marilyn Monroe, a bela Louise Brooks, a estupenda Jane Fonda, o biquinho doce da Brigitte Bardot. Foram tantas a habitar os sonhos dos jovens, sem falar das atuais musas que ainda passeiam pelas mentes e corações masculinos.

A cidade de São Paulo vivenciou tudo isso em seu crescimento urbano. O cinema se consolidou na cidade passando a fazer parte das suas entranhas urbanas e sentimentais.

E eis que em plena década efervescente dos anos 50, quando o cinema norte-americano estava em alta, tanto lá em terras do Tio Sam quanto cá, em Terras Tupiniquins, um homem sonhador trouxe o cinema de arte para se consolidar na cidade que nunca para: Dante Ancona Lopez.
Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.