Cine Independência

Crônica de Marcelo Canellas

Ilustre participação do premiado repórter especial da Rede Globo, o gaúcho Marcelo Canellas. Texto do livro "Províncias - Crônicas da alma interiorana", lançado recentemente pela Editora Globo.



Cine Independência, com publicação autorizada pelo autor, reflete sobre a importância da preservação de antigos cinemas, não apenas pelo valor histórico e arquitetônico, mas pela permanência de um símbolo da memória cultural e afetiva de um povo. Locais que trazem lembranças de emoções e fantasias vividas por antigas e novas gerações. Como já dizia Kleber Mendonça Filho (diretor do premiado filme "O Som ao Redor"): "Vejo as salas de cinema (especialmente as antigas) como monumentos à passagem do tempo, lugares impregnados de gente e suas histórias". - Antonio Ricardo Soriano

Cine Independência

O VENDE-SE em letras enormes na fachada do Cine Independência me fustigou por dias a fio. Até que me ocorreu: será que o proprietário não aceitaria um escambo? Como não tenho dinheiro no banco, eu poderia dar em troca o sítio onde moro. Não, quatro hectares de cascalho e mato não seduziriam um negociante de imóveis. Minhas jabuticabeiras cravejadas com as pérolas negras do meu pomar são tesouro escasso para quem quer ganhar dinheiro com um velho cinema.

Penso, então, em oferecer toda a fortuna que o próprio
Independência me legou ao longo dos anos. Posso abrir a arca que guarda o tropel dos peles-vermelhas perseguindo John Wayne ou James Stewart. Logo atrás, viriam Tarzan e Fantasma, guardiões da mãe África. E todos aqueles personagens que pularam das telas para nos fazer companhia nos circos, nas selvas e nos sete mares das nossas casas e quintais: Dumbo, Mogli, Barba Ruiva.

Posso regatear com todas as guerras estelares; posso clamar por todas as súplicas, traições, incestos, perdões e rupturas irreconciliáveis que testemunhei; posso argumentar com todos os sustos, todas as lágrimas, toda a irritação por finais previsíveis.


Certamente vale muito o hábito das senhoras aposentadas, que usavam suas tardes livres para ir à matinê sem nem sequer se preocupar em checar a programação. O que também gerava enganos terríveis, como o da minha velha tia-avó que, ao ler o título Ganganta Profunda, achou tratar-se de uma love story. Até sair porta afora depois de, logo nas primeiras cenas, descobrir que tinha love de mais e story de menos.

Posso oferecer de lambuja os festivais de música regionalista a que assisti. E - joia rara do meu baú - o beijo que roubei da minha primeira namorada num show do jovem Alceu Valença.


Vou pedir um bom desconto pelos anos em que o
Independência virou igreja evangélica. Mas nem por isso vou deixar de orar para que, em caso de recusar minha proposta, o proprietário só venda o cinema a quem veja naquele espaço algo mais do que um prédio velho. Que conveniência financeira vale a cicatriz de uma cidade sem rosto?

Cine Independência nos anos de 1960 (Santa Maria/RS) - Foto: Blog "Santa Maria em Fotos", de Valeska Huffel

Licença Creative Commons
As fotos e informações deste site estão protegidas e licenciadas pela Creative Commons.
ACESSE O BANCO DE DADOS


BIBLIOGRAFIA DO BLOG

PRINCIPAIS FONTES DE PESQUISA

1. Arquivos institucionais e privados

Bibliotecas da Cinemateca Brasileira, FAAP - Fundação Armando Alvares Penteado e Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - Mackenzie.

2. Principais publicações

Acervo digital dos jornais Correio de São Paulo, Correio Paulistano, O Estado de S.Paulo e Folha de S.Paulo.

Acervo digital dos periódicos A Cigarra, Cine-Reporter e Cinearte.

Site Arquivo Histórico de São Paulo - Inventário dos Espaços de Sociabilidade Cinematográfica na Cidade de São Paulo: 1895-1929, de José Inácio de Melo Souza.

Periódico Acrópole (1938 a 1971)

Livro Salões, Circos e Cinemas de São Paulo, de Vicente de Paula Araújo - Ed. Perspectiva - 1981

Livro Salas de Cinema em São Paulo, de Inimá Simões - PW/Secretaria Municipal de Cultura/Secretaria de Estado da Cultura - 1990

FONTES DE IMAGEM

Periódico Acrópole - Fotógrafos: José Moscardi, Leon Liberman, P. C. Scheier e Zanella.

Acervos particulares de Luiz Carlos Pereira da Silva, Caio Quintino e Ivani Cury.

PRINCIPAIS COLABORADORES

Luiz Carlos Pereira da Silva e João Luiz Vieira.

OUTRAS FONTES: INDICADAS NAS POSTAGENS.